Sou de cada um

Cada um pode dizer: "Padre Pio é meu". Eu amo tanto os meus irmãos de exílio. Amo os meus filhos espirituais do mesmo modo que a minha alma, e mais ainda. Eu os regenerei em Jesus na dor e no amor.
Posso esquecer de mim mesmo, mas não dos meus filhos espirituais; de fato, asseguro-lhes que quando o Senhor me chamará, eu lhe direi: Senhor, eu permaneço junto à porta do paraíso; entrarei quando tiver visto entrar o último dos meus filhos.

Pe. Pio

domingo, 26 de março de 2017

Cuidado para não deixar o coração surdo, alerta o Papa


Não escutar a Palavra de Deus e ter o coração endurecido, fechado em si mesmo, fazem perder a fidelidade

“Ouvir a Palavra de Deus para evitar o risco de endurecer o coração”, disse o Papa Francisco na missa celebrada, esta quinta-feira (24/03), na Casa Santa Marta.
Quando o povo não escuta a voz de Deus e vira as costas para Ele, acaba se distanciando Dele. Baseando-se num trecho do Livro do Profeta Jeremias, o Papa desenvolveu a sua meditação sobre a escuta da Palavra de Deus.
“Quando não paramos para ouvir a voz do Senhor, nos distanciamos Dele, viramos as costas para Ele. E quando não ouvimos a voz de Deus, ouvimos outras vozes.”
Se não ouvimos a Palavra de Deus, ouvimos os ídolos do mundo
“No final”, constatou amargamente o Pontífice, “fechamos os ouvidos e nos tornamos surdos à Palavra de Deus”.
“Se hoje todos nós pararmos um pouco e olharmos para o nosso coração, veremos quantas vezes fechamos os ouvidos e quantas vezes nos tornamos surdos. Quando um povo, uma comunidade, mas também uma comunidade cristã, uma paróquia, uma diocese, fecha os ouvidos e se torna surda, não ouve a Palavra de Deus, procura outras vozes, outros senhores e acaba seguindo os ídolos, os ídolos que o mundo, a mundanidade, a sociedade lhes oferece. Se distancia do Deus vivo.”
Quando o coração se endurece, tornamo-nos católicos ateus
“Quando nos distanciamos do Senhor”, prosseguiu o Papa, “o nosso coração se endurece”. Quando não ouvimos, o coração se torna mais duro, mais fechado em si mesmo. Duro e incapaz de receber alguma coisa. Não só fechamento, mas dureza do coração. Vive então naquele mundo, naquela atmosfera que não lhe faz bem, que o distancia cada dia mais de Deus”.
“E estas duas coisas – não escutar a Palavra de Deus e ter o coração endurecido, fechado em si mesmo – fazem perder a fidelidade. Perde-se o sentido da fidelidade. O Senhor diz na Primeira Leitura: ‘A fidelidade desapareceu’ e nós nos tornamos católicos infiéis, católicos pagãos ou pior ainda, católicos ateus, porque não temos uma referência de amor ao Deus vivo. Não escutar e virar as costas – que nos endurece o coração – que nos conduz ao caminho da infidelidade”.
“Esta infidelidade, como se traduz esta infidelidade?”, perguntou o Papa. “Traduz-se com a confusão: não se sabe aonde está Deus, aonde não está, se confunde Deus com o diabo”. Francisco fez referência ao Evangelho do dia e observou que “a Jesus, que faz milagres, que faz tanto pela salvação e as pessoas estão felizes, as pessoas dizem: ‘E o faz isto porque é um filho do diabo. Faz o poder de Belzebu’”.
Escutamos realmente a Palavra de Deus?
“Esta – disse o Papa – é a blasfêmia. a blasfêmia é a palavra final deste percurso, que começa com o não-escutar, que endurece o coração, que ‘causa confusão’, que faz esquecer a fidelidade… e no fim, vem a blasfêmia”. Ai daquele povo que se esquece da surpresa do primeiro encontro com Jesus:
“Hoje, podemos todos nos perguntar: Eu paro para ouvir a Palavra de Deus, pego a Bíblia, que fala a mim? Meu coração se endureceu? Eu me afastei do Senhor? Perdi a fidelidade ao Senhor e vivo com os ídolos que a mundanidade me propõe todos os dias? Perdi a alegria da maravilha do primeiro encontro com Jesus? Hoje é um dia para ‘escutar’: ‘Escutem hoje a voz do Senhor’, rezamos antes. ‘Não endureçam seu coração’. Peçamos esta graça. A graça de escutar, para que nosso coração não se endureça”.

Quando você se sentir sem coragem, reze esta oração de Santo Agostinho


Há dias em que a carga nos desgasta os ombros e nós nos sentimos esgotados...”

Deus da vida,
há dias em que a carga nos desgasta os ombros e nós nos sentimos esgotados;
dias em que o caminho parece monótono e interminável,
e o céu cinzento e ameaçador;
dias em que nossa vida carece de música,
nosso coração está solitário e nossa alma perdeu a coragem.
Inunda o caminho com tua luz, te suplicamos;
dirige nosso olhar para onde o céu estiver cheio de promessas.
 
Por Santo Agostinho
Oração publicada no livro” Oraciones del mundo” de Juliet Mabey (traduzido e adaptado do espanhol para o português)

http://pt.aleteia.org/2017/03/24/quando-voce-se-sentir-sem-coragem-reze-esta-oracao-de-santo-agostinho/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt


sábado, 25 de março de 2017

QUAIS OS LUGARES FAVORÁVEIS À ORAÇÃO? 24/30

Podemos rezar em todos os lugares, no metrô, no ônibus, no avião, em casa, no trabalho. Contudo, a igreja é o lugar próprio da oração litúrgica e da adoração eucarística. Embora, em casa também devemos criar um lugar privilegiado à oração.

LADAINHA DO PADRE PIO


Senhor, tende piedade de nós,
Jesus Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós,
Jesus Cristo, ouvi-nos,
Jesus Cristo, atendei-nos,
Pai Celeste que sois Deus, tende piedade de nós
Deus Filho, redentor do mundo, tende piedade de nós,
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós,
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, Rainha dos santos, rogai por nós
Padre Pio, imitação de Cristo, rogai por nós
Padre Pio, escravo de Maria, rogai por nós
Padre Pio, filho de Francisco, rogai por nós
Padre Pio, amigo dos anjos, rogai por nós
Padre Pio, crucificado por Jesus, rogai por nós
Padre Pio, irmão da Cruz, rogai por nós
Padre Pio, exemplo de sacerdote, rogai por nós
Padre Pio, confessor incansável, rogai por nós
Padre Pio, pai da penitência, rogai por nós
Padre Pio, apóstolo da oração, rogai por nós
Padre Pio, servo da humildade, rogai por nós
Padre Pio, vida de obediência, rogai por nós
Padre Pio, mestre espiritual, rogai por nós
Padre Pio, auxílio dos enfermos, rogai por nós
Padre Pio, consolo dos aflitos, rogai por nós
Padre Pio, odor de santidade, rogai por nós
Padre Pio, guia virtuoso, rogai por nós
Padre Pio, luz de nosso tempo, rogai por nós
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós, Senhor.

Padre Pio, que afirmastes que faria mais barulho morto do que vivo, rogai por nós, para que consigamos receber as graças para imitá-lo e sejamos dignos de te-lo como intercessor, juntamente com Nossa Senhora, para alcançarmos a glória celeste em Deus pelos séculos dos séculos .
Amém.

terça-feira, 21 de março de 2017

QUEM PODE EDUCAR NA ORAÇÃO? 23/30

A família cristã é o primeiro lugar da educação na oração, é o primeiro testemunho da vida de oração da Igreja. A catequese, a direção espiritual, os movimentos, as pastorais são uma ajuda para a oração.

sábado, 18 de março de 2017

É preciso que por meio da Oração rompamos com o Vício da Pornografia!

“De todo coração te procuro: não me deixes desviar dos teus preceitos. Conservo no coração tuas promessas para não te ofender com o pecado.” (Sl 119, 10-11)



Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, amém!
Senhor Jesus, quero neste momento te louvar pelo dom da minha vida, por tudo aquilo que o Senhor já realizou em mim até agora; e por isso te agradeço de coração porque caminhas ao meu lado sem nunca me abandonar! Muito obrigado Jesus!
Mas quero também pedir perdão a Ti Jesus! Sim, porque ainda que eu saiba que Tú caminhas comigo eu ainda não sou tão forte o suficiente para me livrar de determinados vícios que fui adquirindo ao longo da minha caminhada. E aqui quero te apresentar um vício que muito tem perturbado o meu coração e o meu caminho para a santidade; que é o vício da pornografia!
Quero pedir que o Senhor venha me livrar de tudo aquilo que tem me prendido à pornografia! A começar pelo prazer que busco através dela, pensando que estes tipos de prazeres podem me preencher, que podem preencher o vazio que trago dentro de mim e que nem mesmo sei de onde vem. Quero renunciar à busca destes tipos de prazeres mentirosos que o Tentador coloca no meu caminho e que me engana com a sua mentira! Pois na verdade estes prazeres me esvazia e cria abismos dentro da minha alma, que me afastam de Ti, que és o ÚNICO e ABSOLUTO BEM que posso buscar!
Quero ainda pedir a ti Jesus, pela força do Teu Santo Nome que quebre todos os tipos de pensamentos obsessivos em relação ao sexo na minha vida. Pois estes pensamentos surgem com muita força dentro de mim e sempre me arrastam para o Mal, para o pecado! Atinge pela força do teu Sangue o momento que estes tipos de pensamentos se tornaram obsessivos em algum momento da minha vida! Quebra o círculo vicioso que estes pecados tem atingido os meus pensamentos!
Senhor, pela autoridade do Teu Nome que caia por terra agora todo o tipo de rotina que o pecado da pornografia criou na minha vida, quebra no poder do Teu Nome o hábito de olhar para as mulheres com desejos obscenos de possui – las, quebra o hábito de olhar para os homens com desejos de possui – los; quebra pela força do Teu nome o desejo descompensado de olhar a pornografia por meio da internet, de filmes, de revistas, fotografias, redes sociais e tudo o que me cerca!
Eu renuncio a estes desejos obscenos que a pornografia me traz e que me incentivam a buscar. Eu renuncio e peço que pela força do Teu Nome vá aos pés da Tua cruz toda a carga genética, toda a carga hereditária que ainda possam estar influenciando a minha vida na área da minha sexualidade!
Quebra toda a anormalidade sexual que trago da minha linhagem familiar, Senhor Jesus! Que caia sobre mim o poder do Teu Sangue jorrado na cruz e que Ele traga toda a Cura e Libertação que preciso na área da minha sexualidade! Não importando de onde tenha nascido estes distúrbios, não importando de onde tenham nascido estes vícios, seja do emocional, seja de carência afetiva, seja de violência sexual, seja até mesmo de hábitos adquiridos ao longo da minha vida; liberta – me de tudo isso e com a Tua libertação que venha sobre mim toda a cura necessária Senhor Jesus!
Liberta – me Senhor Jesus dos lugares que tem feito com que eu fique preso a pornografia e ao pecado na minha sexualidade! Liberta – me do pecado gerado no segredo do meu quarto, do meu banheiro, do meu ambiente de escola, do meu ambiente de trabalho, das minhas falsas amizades!
Liberta – me do pecado da pornografia realizado dentro da minha casa, escondido da minha esposa, do meu marido, dos meus filhos, mas que nunca foi e nunca será escondido da Tua presença Jesus!
Purifica – me pela força do Espirito Santo os meus desejos, as minhas vontades, as minhas intenções; e rompe agora no poder do Teu Nome Jesus toda a força diabólica que quer me seduzir e me arrastar para a pornografia!
Lave – me por inteiro(a) no Teu Sangue Redentor! E assim que eu tiver a primeira oportunidade Senhor Jesus eu me comprometo a buscar a confissão de todos estes meus pecados, pois eu quero mudar de vida, e sei que pela força deste momento de oração eu posso mudar de vida! Eu assumo agora minha mudança de vida no nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!
Obrigado por tudo o que o Senhor fez e continuará fazendo na minha vida! Que a Virgem Maria possa ir a frente de todo este meu novo propósito e me ensine a ser cada dia mais santo(a)!
Amém!

Deus abençoe você!

http://blog.cancaonova.com/livresdetodomal/oracao-de-libertacao-do-vicio-da-pornografia/

Os sacramentos são grandes exorcismos, afirma autoridade vaticana


Para o cardeal, os sacramentos têm valores espirituais ainda mais evidentes quando celebrados na Páscoa

Em uma recente entrevista, o Cardeal Mauro Piacenza, Penitenciário Mor da Santa Sé, afirmou que “todos os sacramentos são ‘grandes exorcismos’”.
Em diálogo com ACI Stampa, agência italiana do Grupo ACI, o Cardeal Piacenza disse que “a confissão e a Sagrada Comunhão sempre têm um valor extraordinário capaz de renovar o homem, mas celebrados na Páscoa têm um valor espiritual e litúrgico objetivamente mais evidente e, se me permite, também valor de exorcismo”.
Para explicar esta afirmação, o Purpurado indicou que “todos os sacramentos também são ‘grandes exorcismos’. Assim, dogmaticamente, tanto os exorcismos como as bênçãos são sacramentais que têm vigor somente a partir dos sete sacramentos, sinais eficazes instituídos por Cristo, de maneira direta ou através dos Apóstolos, para prolongar a sua presença salvífica através da Igreja até o fim da história”.
“O pecado mortal é sempre uma escravidão e, cada vez que o sacerdote pronuncia a fórmula da absolvição, o fiel é libertado das garras do mal e reintroduzido na plena comunhão com a vida trinitária”, ressaltou.
Em seguida, o Cardeal sublinhou que “a confissão sacramental é o único e verdadeiro ponto de reinício para cada um de nós. Em qualquer confissão, o batizado é renovado interiormente e a sua vida espiritual começa novamente, com todos os dons infinitos da graça que o sacramento possui”.
Este sacramento, continuou, “nos dias sagrados do Tríduo Pascal age potentemente com a sua graça e o diabo também é potentemente derrotado de novo”.
Consciente disso, a Igreja convida a “cumprir alguns exercícios de piedade durante a Quaresma, especialmente nas sextas-feiras, dia da Paixão do Senhor. Estes gestos, além de ser verdadeiros e sustentar a alma no frenético caminho dos nossos dias, têm a capacidade de expressar a fé e de favorecer a empatia, também afetiva, com os acontecimentos históricos da salvação e com os mistérios que acreditamos”.
O Cardeal Piacenza disse que “o jejum, que envolve o corpo, a Via Sacra, que convida a caminhar nas pegadas do Senhor, o silêncio, que permite ao coração ouvir realmente, são todos possíveis gestos quaresmais que sustentam o ato concreto de fé e que corroboram a sua objetividade”.
O Penitenciário Mor também assinalou que “estes são gestos que favorecem ou nutrem uma atitude de profunda humildade, tão necessária para o homem moderno, vítima do tecno-cientificismo, e, em todo caso, para alguém que pedir perdão pelos seus pecados e se aproximar a celebrar o triunfo de Cristo sobre o mal e sobre a morte”.
As práticas devocionais da Quaresma, como o jejum, a abstinência, a mortificação, a esmola e a oração, concluiu o Cardeal, “são gestos simples de amor, possíveis para todos, que dizem muito da nossa fé. E todo grande amor se alimenta de pequenos gestos. São carícias para Jesus crucificado”.

Via ACI Digital

COMO OS SANTOS SÃO GUIAS NA ORAÇÃO? 22/30

Os santos são uma exegese da Palavra de Deus. Pois, o mesmo Espírito que que inspirou os autores sagrados, animou os santos.

Milagre do Padre Pio: Curou um câncer e converteu toda uma paróquia ortodoxa ao catolicismo!


Por intercessão dele, a mãe de um padre ortodoxo romeno foi curada de um câncer terminal. E esse foi só o começo da história...
São incontáveis os testemunhos sobre o santo de Pietrelcina – embora apenas uma porção esteja registrada em livros, como “Padre Pio“, de José Maria Zavala. Entre eles, o desta comunidade ortodoxa da Romênia é especialmente impressionante porque, além de curar o câncer em fase terminal que acometia a mãe de um sacerdote ortodoxo, a intercessão de São Padre Pio ainda levou à conversão de toda uma paróquia ortodoxa ao catolicismo. E mais: o pároco e os paroquianos também construíram uma igreja dedicada ao santo e um hospital para os doentes terminais da região.
Um câncer terminal – que, na verdade, foi apenas o começo do milagre
Em 2002, a mãe do sacerdote ortodoxo Victor Tudor, Lucrecia, foi diagnosticada com um câncer no pulmão já em metástase e sentenciada a poucos meses de vida. O irmão do padre Victor, Mariano, pintor especializado em iconografia, morava em Roma e conseguiu que a mãe fosse atendida por um médico italiano, que, no entanto, também afirmou que só poderia intervir com remédios para aliviar as dores. Lucrecia passou um tempo com Mariano em Roma para fazer mais exames e o acompanhava em seu trabalho na igreja católica em que o filho produzia um mosaico. Enquanto o rapaz trabalhava, Lucrecia contemplava a igreja e as imagens.
Foi quando uma imagem situada num canto da igreja lhe chamou especialmente a atenção. Era a do Padre Pio.
Mariano contou brevemente à mãe a história do santo de Pietrelcina e, nos dias seguintes, percebeu que ela passava boa parte do tempo sentada em frente à sua imagem. Ela conversava com a escultura como se falasse com uma pessoa.
Duas semanas depois, mãe e filho voltaram ao hospital para um novo exame e para uma enorme surpresa: o câncer, que era terminal, tinha simplesmente desaparecido.
A ortodoxa Lucrecia tinha pedido a intercessão do Padre Pio e ele havia respondido.
O milagre que fez milagres
“A cura milagrosa da minha mãe, realizada pelo Padre Pio em favor de uma mulher ortodoxa, me chamou a atenção”, testemunha o padre Victor, que até então não conhecia a vida do Padre Pio e, desse fato em diante, passou a admirá-lo imensamente. Ele contou sobre o milagre aos seus paroquianos. “Todos conheciam a minha mãe, sabiam que ela tinha ido à Itália para tentar uma operação e que voltou para casa curada, sem que nenhum médico a tivesse operado”.
O milagre estava transformando não só a vida da família Tudor, mas a de toda a comunidade ortodoxa da paróquia, que começou a conhecer e a amar o Padre Pio cada vez mais. “Líamos tudo o que encontrávamos sobre ele. A santidade dele nos conquistava”.
A conversão de toda uma paróquia
Outros enfermos da paróquia também receberam graças extraordinárias por intercessão do Padre Pio. Os quase 350 paroquianos, juntamente com seu pároco ortodoxo, decidiram então se tornar católicos. Hoje eles pertencem ao rito greco-católico da Romênia e, embora suas vidas tenham sido transformadas, ainda precisam enfrentar grandes provas de fé.
Em entrevista à Padre Pio TV, o pároco relata que ele e sua paróquia passaram por “numerosas dificuldades”, inclusive políticas e até policiais, quando resolveram se tornar católicos num país ortodoxo com passado comunista. Mas os novos católicos não só não se desanimaram como ainda começaram a construção de uma igreja dedicada ao Padre Pio – e enfrentaram novos desafios de todo tipo, de financeiros a burocráticos, além da própria ausência de igreja durante a construção (chegaram a celebrar a missa na rua sob as gélidas temperaturas do inverno).
O padre Victor recorreu novamente a Roma para pedir ajuda e relatou as dificuldades a um bispo, que lhe perguntou: “Quem será o padroeiro da sua igreja?”. Ao ouvir que seria o Padre Pio, o bispo sorriu e o tranquilizou dizendo: “O próprio Padre Pio vai fazer essa igreja”.
O milagre continua
De fato, o templo é hoje uma realidade – e, para o padre Victor, outro milagre: “Senti que o Padre Pio ajudou a mim, aos meus fiéis. É um sinal de fé”.
O sacerdote romeno foi além: fundou um hospital para doentes em fase terminal, pacientes sem recursos e idosos abandonados.
Se continua havendo dificuldades? Muitas. Enormes. Se o padre Victor continua contando com a intercessão do Padre Pio? Até agora, ele não falhou.

Fonte: WhatsApp

domingo, 12 de março de 2017

Como distinguir a vontade de Deus da minha?


Corresponder aos desígnios de Deus é sempre um desejo do coração daqueles que, de alguma forma, já experimentaram Seu amor. É por isso que frequentemente ouvimos alguém dizer: “Eu gostaria de saber qual é a vontade de Deus para minha vida”.

Esses dias, um jovem abriu o coração comigo, falando de seus sonhos, medos, lutas e conquistas. Ele parecia não estar satisfeito, nem demonstrava entusiasmo diante das últimas realizações. Havia uma sombra de tristeza e apreensão em seu olhar, o que me levou a lhe perguntar: “O que está lhe faltando agora?”. Ele prontamente respondeu: “Eu quero distinguir a vontade de Deus da minha”. Por providência, eu tinha acabado de ler alguns escritos de Chiara Lubich falando sobre isso, então, transmiti-lhe algumas palavras de incentivo. Depois, continuei pensando no assunto.
1600x1200-Como-distinguir-a-vontade-de-Deus-da-minha



Sei que aquele jovem não é uma exceção. Na verdade, descobrir a vontade de Deus é um anseio comum entre nós. Pois sabemos que estar na vontade de Deus é caminho certo para a felicidade, e ser feliz é tudo o que o ser humano mais almeja neste mundo.

Chiara Lubich, fundadora dos focolares, afirma que não é difícil saber qual é a vontade de Deus e nos indica o caminho:

“É preciso ouvirmos bem dentro de nós uma voz delicada, a qual, muitas vezes, sufocamos, e que se torna quase imperceptível. Mas se a ouvirmos bem, é a voz de Deus. Ela diz-nos que aquele é o momento de estudar ou ajudar quem tem necessidade, de trabalhar, vencer uma tentação ou cumprir um dever de cristão, de cidadão. Convida-nos a dar atenção a alguém que nos fala em nome de Deus, ou a enfrentar com coragem situações difíceis. Temos que a ouvir. Não façamos calar essa voz, ela é o tesouro mais precioso que possuímos. Sigamo-la!”

Depois dessa descoberta, temos uma segunda etapa, que também é muito importante: coragem de assumir a vontade de Deus, fazendo dela o nosso projeto de vida! A condição para isso é dar os passos exigidos a cada instante. Por vezes, são coisas bem simples no início, e, ao longo da caminhada, surgem exigências maiores, que, aliás, são sempre possíveis de realizar. Deus nunca nos pede algo que não podemos realizar com Sua graça.

Segundo Chiara, a vida nos oferece duas direções: fazer a nossa vontade ou fazer a vontade de Deus. A primeira opção, que logo vai ser decepcionante, é como escalar a montanha da vida só com as nossas ideias limitadas, com os poucos meios que temos, com os nossos pobres sonhos, contando só com as nossas forças. A partir daí, mais tarde ou mais cedo, chegar à experiência da rotina de uma existência cheia de tédio, de mediocridade, de pessimismo e, às vezes, até de desespero. Uma vida monótona, apesar do nosso esforço por torná-la interessante, que nunca chegará a satisfazer o nosso íntimo mais profundo. A segunda possibilidade é quando também nós repetimos com Jesus: «Não se faça a minha vontade, mas a Tua» (Lc 22, 42).

Para compreendermos isso melhor, podemos comparar Deus a um sol. Deste sol partem muitos raios que se projetam sobre cada um de nós. E esses raios representam a vontade de Deus. Durante a vida, somos chamados a caminhar em direção a esse “Sol”, seguindo a luz do raio, que nos é próprio, diferente e distinto de todos os outros. E podemos realizar o projeto maravilhoso, pessoal, que Deus tem para cada um de nós: a vontade d’Ele. Se assim o fizermos, vamos nos sentir envolvidos numa divina aventura, nunca antes imaginada.


Seremos, ao mesmo tempo, atores e espectadores de coisas grandiosas que Deus realizará em nós e, através de nós, na humanidade. Tudo o que vier a acontecer-nos, como os sofrimentos e as alegrias, graças e desgraças, fatos importantes ou insignificantes, tudo vai adquirir um significado novo, porque nos é oferecido pela mão de Deus, que é Amor. Tudo o que Ele quer ou permite é para o nosso bem. Se acreditamos nisso apenas com a fé, veremos depois, com os olhos da alma, que existe um fio de ouro a ligar acontecimentos e coisas, a compor um magnífico bordado: é o projeto de Deus para cada um de nós.

Pode ser que, diante disso, você se decida sinceramente a dar um sentido mais profundo à sua vida. Então, comece agora a fazer a vontade de Deus, pois, se pensarmos bem, o passado já não existe e não podemos voltar a tê-lo. Só nos resta colocá-lo na misericórdia de Deus. O futuro ainda não chegou. Havemos de vivê-lo quando se tornar atual. Em nossas mãos, só temos o momento presente. É nele que devemos optar por fazer a vontade de Deus. Como? Escutando aquela suave voz que nos fala ao coração, lembrando que Deus não nos pede algo irrealizável. Estaremos juntos!

http://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/como-distinguir-a-vontade-de-deus-da-minha/

sábado, 11 de março de 2017

OS DOZE GRAUS DO SILÊNCIO

No segundo dia da Quaresma, que o nosso espírito de mortificação seja o silêncio, como pedimos no Segundo Dia da Oração da Semana. E que o silêncio no nosso encontro com Deus neste tempo de penitência faça calar os gritos das multidões ensandecidas dos prazeres do mundo.


1º Falar pouco às criaturas e muito a Deus

Este é o primeiro passo, mas indispensável, nas vias solitárias do silêncio. Nesta escola é onde se ensinam os elementos que dispõe à união divina. Aqui a alma estuda e aprofunda esta virtude, no espírito do Evangelho, no espírito da Regra que abraçou, respeitando os lugares consagrados, as pessoas, e sobretudo esta língua na qual tão freqüentemente descansa o Verbo ou a Palavra do Pai, o Verbo feito carne. Silêncio ao mundo, silêncio às notícias, silêncio com as almas mais justas: a voz de um Anjo turbou Maria...


2º Silêncio no trabalho, nos movimentos

Silêncio no porte; silêncio dos olhos, dos ouvidos, da voz; silêncio de todo o ser exterior, que prepara a alma para passar a Deus. A alma merece tanto quanto pode, por estes primeiros esforços em escutar a voz do Senhor. Que bem recompensado é este primeiro passo! Deus a chama ao deserto, e por isso, neste segundo estado, a alma aparta tudo o que poderia distraí-la; se distancia do ruído, e foge sozinha Àquele que somente é. Ali ela saboreará as primícias da união divina e o zelo de seu Deus. É o silêncio do recolhimento, ou o recolhimento do silêncio.


3º Silêncio da imaginação

Esta faculdade é a primeira em chamar à porta fechada do jardim do Esposo; com ela vêm as emoções alheias, as vagas impressões, as tristezas. Mas neste lugar retirado, a alma dará ao Bem Amado provas de seu amor. Apresentará a esta potência, que não pode ser destruída, as belezas do céu, os encantos de seu Senhor, as cenas do Calvário, as perfeições de seu Deus. Então, também ela permanecerá no silêncio, e será a servente silenciosa do Amor divino.


4º Silêncio da memória

Silêncio ao passado... esquecimento. Há que saturar esta faculdade com a recordação das misericórdias de Deus... É o agradecimento no silêncio, é o silêncio da ação de graças.


5º Silêncio às criaturas

Oh, miséria de nossa condição presente! Com freqüência a alma, atenta a si mesma, se surpreende conversando interiormente com as criaturas, respondendo em seu nome. Oh, humilhação que fez gemer os santos! Nesse momento esta alma deve retirar-se docemente às mais íntimas profundezas deste lugar escondido, onde descansa a Majestade inacessível do Santo dos santos, e onde Jesus, seu consolador e seu Deus, se descobrirá a ela, lhe revelará seus segredos, e a fará provar a bem-aventurança futura. Então lhe dará um amargo desgosto para tudo o que não é Ele, e tudo o que é da terra deixará pouco a pouco de distrair-la.


6º Silêncio do coração

Se a língua está muda, se os sentidos se encontram na calma, se a imaginação, a memória e as criaturas se calam e fazem silêncio, se não ao redor, ao menos no íntimo desta alma de esposa, o coração fará pouco ruído. Silêncio dos afetos, das antipatias, silêncio dos desejos no que tem de demasiado ardente, silêncio do zelo no que tem de indiscreto; silêncio do fervor no que tem de exagerado; silêncio até nos suspiros... Silêncio do amor no que tem de exaltado, não dessa exaltação da qual Deus é autor, senão daquela na qual se mistura a natureza. O silêncio do amor, é o amor no silêncio...

É o silêncio diante de Deus, suma beleza, bondade, perfeição... Silêncio que não tem nada de chateado, de forçado; este silêncio não danifica a ternura, o vigor deste amor, de modo semelhante a como o reconhecimento das faltas não danifica tampouco o silêncio da humildade, nem o bater das asas dos anjos de que fala o profeta o silêncio de sua obediência, nem o fiat o silêncio de Getsemani, nem o Sanctus eterno o silêncio dos serafins...

Um coração no silêncio é um coração de virgem, é uma melodia para o coração de Deus. A lâmpada se consome sem ruído diante do Sacrário, e o incenso sobe em silêncio até o trono do Salvador: assim é o silêncio do amor. Nos graus precedentes, o silêncio era ainda a queixa da terra; neste a alma, por sua pureza, começa a aprender a primeira nota deste cântico sagrado que é o cântico dos céus.


7º Silêncio da natureza, do amor próprio

Silêncio à vista da própria corrupção, da própria incapacidade. Silêncio da alma que se compraz na sua baixeza. Silêncio aos louvores, à estima. Silêncio diante dos desprezos, das preferências, das murmurações; é o silêncio da doçura e da humildade. Silêncio da natureza diante das alegrias ou dos prazeres. A flor se abre no silêncio e seu perfume louva em silêncio ao criador: a alma interior deve fazer o mesmo. Silêncio da natureza na pena ou na contradição. Silêncio nos jejuns, nas vigílias, nas fadigas, no frio e no calor. Silêncio na saúde, na enfermidade, na privação de todas as coisas: é o silêncio eloqüente da verdadeira pobreza e da penitência; é o silêncio tão amável da morte a todo o criado e humano. É o silêncio do eu humano transformando-se no querer divino. Os estremecimentos da natureza não poderiam turbar este silêncio, porque está acima da natureza. 


8º Silêncio do espírito

Fazer calar os pensamentos inúteis, os pensamentos agradáveis e naturais; só estes danificam o silêncio do espírito, e não o pensamento em si mesmo, que não pode deixar de existir. Nosso espírito quer a verdade, e nós lhe damos a mentira! Agora bem, a verdade essencial é Deus! Deus é o bastante à sua própria inteligência divina, e não basta à pobre inteligência humana!

No que concerne a uma contemplação de Deus perene e imediata, não é possível na debilidade da carne, a não ser que Deus conceda um puro dom de sua bondade; mas o silêncio nos exercícios próprios do espírito consiste, em relação à fé, em contentar-se com sua luz escura. Silêncio aos raciocínios sutis que debilitam a vontade e dissecam o amor. Silêncio na intenção: pureza, simplicidade; silêncio às buscas pessoais; na meditação, silêncio à curiosidade; na oração, silêncio às próprias operações, que não fazem mais que entravar a obra de Deus. Silêncio ao orgulho que se busca em tudo, sempre e em todas as partes; que quer o belo, o bem, o sublime; é o silêncio da santa simplicidade, do desprendimento total, da retidão.


Um espírito que combate contra tais inimigos é semelhante a esses anjos que vêem sem cessar a Face de Deus. Esta é a inteligência, sempre no silêncio, que Deus eleva a si.


9º Silêncio do juízo

Silêncio quanto às pessoas, silêncio quanto às coisas. Não julgar, não deixar ver a própria opinião. Não ter opinião às vezes, ou seja, ceder com simplicidade, sem nada se opor a ele por prudência ou por caridade. É o silêncio da bem-aventurada e santa infância, é o silêncio dos perfeitos, o silêncio dos anjos e dos arcanjos, quando seguem as ordens de Deus. É o silêncio do Verbo encarnado!


10º Silêncio da vontade

O silêncio aos mandamentos, o silêncio às santas leis da regra, não é, por dizer assim, mais que o silêncio exterior da própria vontade. O Senhor tem algo que ensinar-nos de mais profundo e de mais difícil: o silêncio do escravo sob os golpes de seu amo. Mas, feliz escravo, pois o Amo é Deus! Este silêncio é o da vítima sobre o altar, é o silêncio do cordeiro que é despojado de sua pele, é o silêncio nas trevas, silêncio que impede pedir a luz, ao menos a que alegra.

É o silêncio nas angústias do coração, nas dores da alma; o silêncio de uma alma que se viu favorecida por seu Deus, e que, sentindo-se rechaçada por Ele, não pronuncia nem sequer estas palavras: Por que? Até quando? É o silêncio no abandono, o silêncio sob a severidade do olhar de Deus, sob o peso de sua mão divina; o silêncio sem outra queixa que a do amor. É o silêncio da crucifixão, é mais que o silêncio dos mártires, é o silêncio da agonia de Jesus Cristo. Se este silêncio é seu divino silêncio e nada é comparável à sua voz, nada resiste à sua oração, nada é mais digno de Deus que esta classe de louvor na dor, que este fiat no sofrimento, que este silêncio no trabalho da morte.

Enquanto esta vontade humilde e livre, verdadeiro holocausto de amor, se despedaça e se destrói para a glória do nome de Deus, Ele a transforma em sua vontade divina. Então o que falta para sua perfeição? O que requer ainda para a união? O que falta para que Cristo seja acabado nesta alma? Duas coisas: a primeira é o último suspiro do ser humano; a segunda é uma doce atenção ao Bem Amado cujo beijo divino é a inefável recompensa.


11º Silêncio consigo mesmo

Não falar-se interiormente, não escutar-se, não queixar-se nem consolar-se. Em uma palavra, calar-se consigo mesmo, esquecer-se de si mesmo, deixar-se só, completamente só com Deus; fugir, separar-se de si mesmo. Este é o silêncio mais difícil, e sem embargo é essencial para unir-se a Deus tão perfeitamente como possa fazê-lo uma pobre criatura que, com a graça, chega com freqüência até aqui, mas se detém neste grau, porque não o compreende e o pratica menos ainda. É o silêncio do nada. É mais heróico que o silêncio da morte.


12º Silêncio com Deus

No começo Deus dizia à alma: “Fala pouco às criaturas e muito comigo”. Aqui lhe diz: “Não me fales mais”. O silêncio com Deus é aderir-se a Deus, apresentar-se e expor-se diante de Deus, oferecer-se a Ele, aniquilar-se diante dEle, adorá-lo, amá-lo, escutá-lo, ouvi-lo, descansar nEle. É o silêncio da eternidade, é a união da alma com Deus.

Tradução livre de 'Los doce grados del silencio' de Soror Amada de Jesus. 

http://www.sendarium.com/2013/02/os-doze-graus-do-silencio.html

NOVENA À SAGRADA FACE DE CRISTO, NOSSO SENHOR

Imagem relacionada
ORAÇÃO INICIAL (para todos os dias):

Senhor, eu procuro a Vossa Face! 

Não me repilais para longe dela por causa dos meus pecados; não desvieis de mim o Vosso Santo Espírito. Fazei brilhar sobre mim a luz da Vossa Face, instrui-me no caminho dos Vossos mandamentos.

Eterno Pai, contemplai a Face do Vosso Filho e por seus infinitos merecimentos concedei-me um ardente desejo de reparar as injúrias feitas à Vossa Divina Majestade e a graça que desejo alcançar nesta novena. Assim seja.


PRIMEIRO DIA

Oh! Amorosíssimo Jesus! 

Não somente Vossa Palavra, mas também a expressão de Vossa Face abrasada em amor, nos revelam, no Cenáculo, a veemência com que Vosso Coração desejava a hora de dar-nos a Eucaristia!

Inflamai meu coração de amor por este sacramento adorável, visitando-o e recebendo-o frequentemente com a pureza dos anjos.

Consideração: 

Se Jesus me ama, se a Sua Face me procura, o que me detêm?... Que me pede Jesus, senão amor e confiança?... Negar-lhe-ei?...

Virtude a praticar: 

Desprendei-vos, pelo menos de coração, de todas as coisas da terra. Seja Jesus o vosso tesouro.

ORAÇÃO FINAL (para todos os dias)

Deus todo-poderoso e misericordioso, nós Vos suplicamos que, venerando a Face Santíssima de Vosso Filho, desfigurada na Paixão por causa dos nossos pecados, mereçamos contemplá-la eternamente no resplendor da glória celeste. Pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor. Assim seja. 


SEGUNDO DIA

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Vítima Divina, meu doce Jesus!

Vossa Face adorável, banhada em suor de sangue em Getsêmani, me descobre a grandeza de Vossas dores e a gravidade dos meus pecados;

Dai-me a mim e a todos os pecadores um sincero arrependimento com firmíssimo propósito de nunca mais pecar.

Consideração: 

Por toda a parte onde se mostrou sobre a terra, a Sagrada Face abençoou, perdoou, curou e fez o bem... 

Jesus dirige o mundo com Seu olhar! Eu O invoco; porque não serei atendido?...

Virtude a praticar: 

Sede dócil às inspirações da graça. O olhar de Jesus que vos solicita é uma graça; entregai-vos à sua celeste influência.

ORAÇÃO FINAL ...


TERCEIRO DIA 

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Meu amabilíssimo Jesus! Vossa Face augusta e serena teve uma expressão de dor imensa ao receber o beijo do traidor. Dai-me a graça, eu vos suplico, de participar da Vossa íntima aflição pelos sacrilégios que cometem os que Vos recebem em pecado mortal no Sacramento de amor, desagravando assim a traição de Judas.

Consideração: 

Sim, eu sei, meu Redentor está vivo.

Esta mesma Face que eu contemplo, hoje tão amargurada pela traição de um apóstolo infiel, hei de contemplar um dia radiante de graça e de esplendores. E, se eu for fiel, assim a contemplarei por toda a eternidade.

Meu Bom Jesus, mostrai-me a Vossa Face.

Virtude a praticar: 

Fidelidade em observar os mandamentos divinos.
"Falai, Senhor, Vosso servo Vos escuta."

ORAÇÃO FINAL ... 


QUARTO DIA 

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Meu dulcíssimo Jesus! Vossa Face de infinita bondade é objeto do mais vil insulto inferido pela cruel mão de um servo em casa de Anaz. Assim Vos tratam, meu doce Salvador, porque aborrecem Vossas palavras de justiça e de caridade sem limites.

Não permitais que eu jamais tome vingança dos meus inimigos, mas que os perdoe sempre e de todo o coração.

Consideração: 

Devo oferecer-me inteiramente a Deus, para fazer só a sua adorável vontade; farei esse oferecimento em união com Jesus orando, a Face contra a terra, no Jardim das Oliveiras.

Virtude a praticar: 

Fazei penitência; excitai-vos à contrição dos vossos pecados e dos pecados alheios;
Aceitai, em espírito de expiação, as penas e as amarguras que Deus aprouver enviar-nos.

ORAÇÃO FINAL ...


QUINTO DIA 

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Meu pacientíssimo Jesus!

Na noite tenebrosa de Vossa Paixão, Vossa Face sacrossanta tornou-se semelhante à de um leproso! Desprezos, escarros, bofetadas e injúrias sem número, desfiguraram Vosso formoso semblante!

Perdoai, Senhor, Vosso povo ingrato que com suas blasfêmias, sensualidade e crimes de toda a espécie, renovam tão horríveis afrontas à Vossa Face augusta e veneranda!

Perdoai, Senhor!

Consideração: 

Jesus tem os olhos cerrados para não ver os meus pecados... Continuarei nas minhas iniquidades?...

Até quando afrontarei essa Face que pacientemente sofre e me espera?... Até quando?... Até quando?...

Não a consolarei com a minha entrega total?...

Virtude a praticar: 

Tende a coragem da fé, não temais o olhar e a palavra dos homens, quando se tratar de um dever a cumprir ou de uma falta a evitar.

ORAÇÃO FINAL ...


SEXTO DIA

ORAÇÃO INICIAL... 

Soberano Rei e Salvador! 

A majestosa dignidade de Vossa Face, vilipendiada e coroada de espinhos, proclamou solenemente Vossa realeza sobre as nações, confirmadas pela profética voz de Pilatos diante do povo judaico ao dizer: "Eis aqui o Vosso Rei".

Concedei-me, ó Rei da Glória, um ardoroso zelo para propagar Vosso Reino, ainda que seja à custa da minha vida.

Consideração: 

Acabrunhado sob o peso de minhas iniquidades, que farei diante do meu divino Rei?

Porque hesitas, minha alma... Não é Ele o teu Salvador?... Por acaso a Sua Face não te contempla com doçura e amor?

Cheia de confiança, prostra-te aos pés do teu Jesus, dizendo-lhe de todo o coração: "Meu Senhor e meu Rei! Eis aqui minha alma e meu corpo: eu me ponho, inteiramente, sob o império de Vossa Face ultrajada".

Reinai sobre mim para sempre!

Virtude a praticar: 

Fazer morrer em nós, pela mortificação, todos os desejos e movimentos aviltantes que poderiam ofender a Sagrada Face e renovar as suas dores.

ORAÇÃO FINAL ... 


SÉTIMO DIA

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Meu querido e generosíssimo Jesus! Vossa Face de Deus-Homem se iluminou, subitamente, com os resplendores de um Santo gozo, ao estreitar em Vossos braços a suspirada cruz. Dai-me coragem para tomar minha cruz e seguir-vos com ânimo constante e generoso até o fim de minha vida.

Consideração: 

Se eu amo e me compadeço, verdadeiramente dos ultrajes sofridos pela Face adorável do meu Salvador, devo amar meus irmãos desgarrados e pedir a Deus que os converta.

Virtude a praticar: 

Que o zelo de reparação vos inflame!

Exercei-o por meio de comunhões, orações, palavras e exemplos, enfim, por todos os meios que à vista do mal cometido deve inspirar-vos.

ORAÇÃO FINAL ... 


OITAVO DIA

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Meu terníssimo Jesus! 

Qual não deve ter sido a expressão de doçura da Vossa Face, quando Verônica se aproximou de vós para enxugá-la!

Com que amorosa gratidão a contemplastes e qual não foi o seu assombro ao achar impressa em seu véu a Vossa Face desfigurada, mas cheia de amor!...

Fazei que eu contemple, meu amado Redentor, Vossa Paixão com tanto amor e ternura que os traços da Vossa Face fiquem gravados em meu coração.

Consideração: 

Meditando no amor de Deus por mim, que vejo estampado em Sua Face retalhada e amortecida, ainda terei dificuldade em esquecer os males que me causaram, de perdoar os que me ofenderam, de qualquer maneira, de amar sinceramente o meu próximo e pedir a salvação para todos os homens?...

Virtude a praticar: 

Suportai pacientemente as injúrias e as friezas do vosso próximo, aceitai o que elas têm de penoso para o coração, em espírito de reparação, por tudo o que Jesus sofreu em Sua Face adorável.

ORAÇÃO FINAL ... 


NONO DIA

ORAÇÃO INICIAL... 

Oh! Meu Santíssimo e amado Jesus! 

Vossa Face de reparador divino, coberta pelas sombras da morte, aplacou a justiça do Eterno Pai, e Vossas últimas palavras foram penhor seguro de eterna felicidade. Que minha vida e minha morte sejam uma contínua reparação unida à Vossa e à de Vossa Mãe Santíssima, a quem invocarei sempre com o nome de MÃE.

Consideração: 

Quando irei e aparecerei diante da Face de meu Deus?

Quando O verei face a face?...


Virtude a praticar: 

"Quem Me contempla Me consola! Se alguém contemplar a minha Face Eu derramarei o meu amor nos corações e por meio da minha Face se obterá a salvação de muitos pecadores!"

Almas generosas, procurai e contemplai sempre a adorável Face de Jesus!

ORAÇÃO FINAL ...

sábado, 4 de março de 2017

29 perguntas sobre a Quaresma

Tudo o que você precisa saber sobre esse tempo especial

29 perguntas sobre a Quaresma

O QUE É A QUARESMA?Chamamos Quaresma o período de quarenta dias reservado a preparação da Páscoa, e indicado pela última preparação dos catecúmenos que deveriam receber nela o batismo.
DESDE QUANDO SE VIVE A QUARESMA?
Desde o século IV se manifesta a tendência para constituí-la no tempo de penitência e de renovação para toda a Igreja, com a prática do jejum e da abstinência. Conservada com bastante vigor, menos em um princípio, nas igrejas do oriente, a prática penitencial da Quaresma vem sido cada vez maior no ocidente, mas deve se observar um espírito penitencial e de conversão.
POR QUE A QUARESMA NA IGREJA CATÓLICA?
“A Igreja se une todos os anos, durante os quarenta dias da Grande Quaresma, ao Mistério de Jesus no deserto” (n. 540).
QUAL É, PORTANTO, O ESPÍRITO DA QUARESMA?
Deve ser como um retiro coletivo de quarenta dias, durante os quais a Igreja, propondo a seus fiéis o exemplo de Cristo em seu retiro no deserto, se prepara para a celebração das solenidades pascoais, com a purificação do coração, uma prática perfeita da vida cristã e uma atitude penitencial.
O QUE É A PENITÊNCIA?
A penitência, tradução latina da palavra grega que na Bíblia significa a conversão (literalmente a mudança do espírito) do pecador, designa todo um conjunto de atos interiores e exteriores dirigidos a reparação do pecado cometido, e o estado de coisas que resulta dele para o pecador.
Literalmente mudança de vida, se diz do ato do pecador que volta para Deus depois de haver estado longe Dele, ou do incrédulo que alcança a fé.
QUE MANIFESTAÇÕES TEM A PENITÊNCIA?“A penitência interior do cristão pode ter expressões muito variadas. A Escritura e os Padres insistem sobre tudo em três formas: o JEJUM, a oração, a missa, que expressam a conversão com relação a si mesmo, com relação a Deus e com relação aos demais. Junto a purificação radical operada pelo Batismo ou pelo martírio, citam, como meio de obter o perdão dos pecados, os esforços realizados para reconciliar-se com o próximo, as lágrimas de penitência, a preocupação pela salvação do próximo, a intercessão dos santos e a prática da caridade “porque a caridade cobre a multidão dos pecados” (1 Pedro, 4,8.).” (Catecismo Igreja Católica, n. 1434).
SOMOS OBRIGADOS A FAZER PENITÊNCIA?
“Todos os fiéis, cada um a seu modo, estão obrigados pela lei divina a fazer penitência; não obstante, para que todos se unam em alguma prática comum de penitência, se fixaram uns dias de penitência para os fiéis que se dedicam de maneira especial a oração, realizam obras de piedade e de caridade e se negam a si mesmos, cumprindo com maior fidelidade suas próprias obrigações e, sobre tudo, observando o jejum e a abstinência.” (Código de Direito Canônico, c. 1249).
QUAIS SÃO OS DIAS E TEMPOS PENITENCIAIS?
“Na Igreja universal, são dias e tempos penitenciais todas as Sextas-feiras do ano e o tempo de quaresma.” Código de Direito Canônico, c. 1250).
QUE DEVE SE FAZER TODAS AS SEXTAS-FEIRAS DO ANO?
Em lembrança do dia em que Jesus morreu na Santa Cruz, “todas as sextas-feiras, a não ser que coincidam com uma solenidade, deve se fazer a abstinência de carne, ou de outro alimento que seja determinado pela Conferência Episcopal; jejum e abstinência se guardarão na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa.” (Código de Direito Canônico, c. 1251).
QUANDO É A QUARESMA?A Quaresma começa na Quarta-feira de Cinzas e termina imediatamente antes da Missa Vespertina no Domingo de Páscoa . Todo este período forma uma unidade, podendo-se distinguir os seguintes elementos:
A Quarta-feira de Cinzas.
Domingo de Ramos da Paixão do Senhor.
A Missa Crismal.
As férias.
O QUE É QUARTA-FEIRA DE CINZAS?
É um princípio da Quaresma; um dia especialmente penitencial, em que manifestamos nosso desejo pessoal de CONVERSÃO a Deus.
Quando vamos aos templos em que nos impõem as cinzas, expressamos com humildade e sinceridade de coração, que desejamos nos converter e crer de verdade no Evangelho.

QUANDO TEVE ORIGEM A PRÁTICA DAS CINZAS?
A origem da imposição da cinza pertence a estrutura da penitência canônica. Começou a ser obrigatória para toda a comunidade cristã a partir do século X. A liturgia atual conserva os elementos tradicionais: imposição da cinza e jejum rigoroso.
QUANDO SE ABENÇOA E SE IMPÕEM A CINZA?
A benção e a imposição da cinza tem lugar dentro da Missa, após a homilia; embora em circunstâncias especiais, se pode fazer dentro de uma celebração da Palavra. As formas de imposição da cinza se inspiram na Escritura: Gn, 3, 19 e Mc 1, 15.
DE ONDE PROVEM A CINZA?
A cinza procede dos ramos abençoados no Domingo da Paixão do Senhor, do ano anterior, seguindo um costume que se remonta ao século XII. A forma de benção faz relação a condição pecadora de quem a recebeu.
QUAL É O SIMBOLISMO DA CINZA?
O simbolismo da cinza é o seguinte:
Condição fraca do homem, que caminha para a morte;
Situação pecadora do homem;
Oração e súplica ardente para que o Senhor os ajude; Ressurreição, já que o homem está destinado a participar no triunfo de Cristo;
A QUE NOS CONVIDA A IGREJA NA QUARESMA?A Igreja persiste nos convidando a fazer deste tempo como um retiro espiritual em que o esforço de meditação e de oração deve ser sustentado por um esforço de mortificação pessoal cuja medida, a partir deste mínimo, permanece a liberdade e generosidade de cada um.
O QUE DEVE SE CONTINUAR VIVENDO NA QUARESMA?
Se vive bem a Quaresma, deverá se alcançar uma autêntica e profunda CONVERSÃO pessoal, preparando-nos, deste modo, para a maior festa do ano: o Domingo da Ressurreição do Senhor.
O QUE É A CONVERSÃO?
Converter-se é reconciliar-se com Deus, apartar-se do mal, para estabelecer a amizade com o Criador.
Supõe e inclui deixar o arrependimento e a Confissão (ver o Guia da Confissão) de todos e cada um de nossos pecados.
Uma vez em graça (sem consciência de pecado mortal), temos de mudar desde dentro (em atitudes) tudo aquilo que não agrada a Deus.

POR QUE SE DIZ QUE A QUARESMA É UM “TEMPO FORTE” E UM “TEMPO PENITENCIAL?
“Os tempos e os dias de penitência ao largo do ano litúrgico (o tempo de QUARESMA, cada Sexta-feira em memória da morte do Senhor) são momentos fortes da prática penitencial da Igreja. Estes tempos são particularmente apropriados para os exercícios espirituais, as liturgias penitenciais, as peregrinações como sinal de penitência, o jejum, a comunhão cristã de bens (obras caritativas e missionárias).” (Catecismo Igreja Católica, n. 1438)
COMO CONCRETIZAR MEU DESEJO DE CONVERSÃO?
De diversas maneiras, mas sempre realizando obras de conversão, como , por exemplo:
Ir ao Sacramento da Reconciliação (Sacramento da Penitência ou Confissão) e fazer uma boa confissão: clara, concisa, concreta e completa.
Superar as divisões, perdoando e crescer em espírito fraterno.
Praticando as Obras de Misericórdia.
QUAIS SÃO AS OBRAS DE MISERICÓRDIA?As Obras de Misericórdia espirituais são:
Ensinar ao que não sabe.
Dar bons conselhos ao que necessita.
Corrigir ao que erra.
Perdoar as injúrias.
Consolar ao triste.
Sofrer com paciência as adversidades e fraquezas do próximo.
Rogar a Deus pelos vivos e pelos mortos
As Obras de Misericórdia corporais são:
Visitar ao enfermo.
Dar de comer ao faminto.
Dar de beber ao sedento.
Socorrer ao cativo.
Vestir ao desnudo.
Dar abrigo ao peregrino.
Enterrar a os mortos.
QUE OBRIGAÇÕES TEM UM CATÓLICO EM QUARESMA?
Tem que cumprir com o preceito do JEJUM e a ABSTINÊNCIA, assim como a CONFISSÃÓ e COMUNHÃO anual.
EM QUE CONSISTE O JEJUM?
O JEJUM consiste em fazer uma única refeição ao dia, sendo que se pode comer algo menos que o de costume pela manhã e a noite. Não se deve comer nada entre os alimentos principais, salvo em caso de doença.
A QUEM SE OBRIGA O JEJUM?
Se obriga a viver a lei do jejum, todos os maiores de idade. (cfr. CIC, c. 1252).
O QUE É A ABSTINÊNCIA?
Se chama abstinência a proibição de comer carne (vermelha ou branca e seus derivados).
A QUEM SE OBRIGA A ABSTINÊNCIA?
A lei da abstinência se obriga aos que já tem catorze anos.(cfr. CIC, c. 1252).
PODE SER MUDADA A PRÁTICA DA ABSTINÊNCIA?
“A Conferência Episcopal pode determinar com mais detalhes o modo de observar o jejum e a abstinência, assim como substituirmos em parte por outras formas de penitência, sobre tudo por obras de caridade e práticas de piedade.” (Código de Direito Canônico, c. 1253).
O QUE IMPORTA DE VERDADE NO JEJUM E NA ABSTINÊNCIA?Deve se cuidar no viver o jejum ou a abstinência com alguns mínimos, mas como uma maneira concreta como a que nossa Santa Mãe Igreja nos ajuda a crescer no verdadeiro espírito de penitência.
QUE ASPECTOS PASTORAIS CONVÊM RESSALTAR NA QUARESMA?
O tempo de Quaresma é um tempo litúrgico forte, em que toda a Igreja se prepara para a celebração das festas pascais. A Páscoa do Senhor, o Batismo e o convite a reconciliação, mediante o Sacramento da Penitência, são suas grandes coordenadas.
Se sugere utilizar como meios de ação pastoral:
A catequese do Mistério Pascal e dos sacramentos;
A exposição e celebração abundante da Palavra de Deus, como aconselha vivamente o cânon. 767, & 3, 3).
A participação, se possível diária, na liturgia quaresmal, nas celebrações penitenciais e, sobre tudo, na recepção do sacramento da penitência: “são momentos fortes na prática penitencial da Igreja” (CEC, n. 1438), fazendo notar que “junto as conseqüências sociais do pecado, detesta mesmo o pecado enquanto é ofensa a Deus”;
O desenvolvimento dos exercícios espirituais, as peregrinações, como penitência assinam, as privações voluntárias como o jejum, a caridade, as obras beneficentes e missionários.

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...